30 setembro 2011

Reação popular à volta de Rosinha

7 comentários:

Anônimo disse...

SE O TRE ESTAVA COMPRADO, O QUE DIZ GAROTINHO AGORA?

Uma hora eu teria que achar estas coisas... nada cai do céu em sede de Justiça.


Segue abaixo todos os recursos que foram protocolados no decorrer do dia de hoje, junto ao TRE, e aos autos do RE 7345 (AIJE):


ZE-100 30/09/2011 16:04 Juntada do documento nº 139.512/2011 Embargos de Declaração


ZE-100 30/09/2011 16:00 Juntada do documento nº 138.763/2011 Recurso


ZE-100 30/09/2011 14:40 Juntada do documento nº 138.791/2011 Recurso


ZE-100 30/09/2011 13:56 Juntada do documento nº 136.710/2011


Bem, eu acreditava que a segurança havia sido concedida às 12 h de hoje conforme postei em sede de MS. Mas não, quando viram que o Mandado de Segurança foi negado, na decisão que divulguei aqui, entraram com os Recursos.


Ainda postei num determinado Blog que somente amanhã tomaríamos conhecimento do inteiro teor do acórdão ou, se algum advogada da autora divulgasse, como a medida tinha sido negativa, eles não divulgaram nada.


Preferindo deixar o povo de Campos na insegurança e, aterrorizando a todos nós.


FICA O ALERTA PREFEITA E DEPUTADO GAROTINHO:


O Deputado alardeou pra todo lado que o TRE estava "comprado" pelo Governador Sérgio Cabral, e agora Garotinho?

http://pensamentossubjetivos.blogspot.com/2011/09/se-o-tre-estava-comprado-o-que-diz.html

Anônimo disse...

QUE NOJO!
Que o MP tome as medidas que devia ter tomado há 48 h.
Somos uma cidade sem lei MP?

Luís Renato disse...

O povo de Campos quer um basta nessa patifaria que virou a política de nossa cidade. O absurdo que aconteceu na Câmara demonstrou o despreparo de nossos representantes eleitos e só nos revela a necessidade urgente de repensarmos nossos votos nas Eleições municipais do ano que vem. Estou abraçando a Campanha "XÔ MENINO MALUQUINHO - Política é pra gente grande, basta de diminutivos!" Manifesto também meu apoio ao Vereador Nelson Nahim e o sugiro a repensar seu futuro político. Como está não dá mais, meu caro e estimado Nahim! Meu apoio também aos raríssimos políticos de nossa cidade que ainda não abriram mão totalmente de sua dignidade e honradez, já desgastadas pelo jogo sujo da política. Uma mudança muito profunda na Câmara é uma solução que o povo tem de promover. Imagina se aumentar o número de Vereadores... isso sim vale um protesto de verdade. Chega de politicagem e de politiqueiros... nossa cidade não aguenta mais.

Vindo dos Pampas disse...

Esta fotomontagem dispensa qualquer palavra para comentar o assunto.
Transcrevi para meu blog http://vindodospampas.blogspot.com/
Abs.

Anônimo disse...

Do blog de Cláudio Andrade:

Nahim confirma saída do PR


"sou seu irmão e, apesar de tudo, tenho amor por ele. Agora, não é por ser seu irmão, que serei seu capacho, seu pau-mandado, triste papel relegado a todos os aliados que lhe restaram".

"Não posso estar ao lado de quem pratica o mal. Não foi a primeira vez que ele me traiu, mas com certeza foi a última".

"Magal (PMDB) então avançou sobre a bancada, tentando gerar um bate-boca, sendo ecoado da galeria pela claque comandada por Thiago Ferrugem".


Saída do PR — Independente do que a Justiça decidir sobre quem ocupará a Prefeitura, após os 30 dias concedidos a Rosinha pelo TRE, disse ontem em coletiva, após toda aquela lamentável confusão, e repito agora, já com a cabeça mais fria: não há a menor condição para que eu permaneça no PR; não há mais clima.

Não posso ainda adiantar qual será meu destino, que tem até 30 de setembro para ser definido, mas uma coisa é certa: qualquer que seja minha nova legenda, não será da base aliada do governo municipal. Depois de ontem, não posso compactuar com o que vem fazendo Garotinho. Eu agi em respeito à lei, enquanto ele excedeu o respeito a qualquer limite.

Veja a matéria na íntegra no blog Opiniões de Aluysio Abreu Barbosa

http://www.fmanha.com.br/blogs/opinioes/?p=8824

Anônimo disse...

O golpe contra Nahim

O deputado Anthony Garotinho reuniu sua tropa de choque na tarde de hoje. O encontro foi no bunker da Lapa. Todos os vereadores da bancada governistas saíram com a seguinte orientação: terão apenas esta semana para devassar a administração do presidente Nelson Nahim. Precisam levantar tudo e encontrar meios de destituí-lo.

Garotinho sabe que Rosinha cai de novo e não quer entregar a prefeitura ao irmão. Ele quer aliados mais obedientes. Por isso trama colocar Jorge Magal (PR) e Kellinho, respectivamente, presidente e vice, da mesa diretora.

Mas eles deverão encontrar meios de galgar esses dois postos antes que seja tarde, se possível abrindo uma Comissão Processante contra a administração de Nahim.

Assim a prefeitura não cairia em mãos indesejadas ao grupo de Garotinho, porque Magal passaria a ser o sucessor direto de Rosinha.

Mas ficam duas perguntas no ar: quem tem medo de Nahim? Por que a prefeitura de Campos não pode cair em suas mãos?


http://www.robertobarbosa.com/2011/10/governistas-de-campos-querem-cabeca-de.html

Anônimo disse...

O relativismo do crime

Às vésperas da eleição de 2004, o ex-governador Anthony Garotinho foi surpreendido por uma batida da Justiça Eleitoral na se do PMDB em Campos. Os fiscais do Tribunal Regional Eleitoral encontraram R$ 318 mil de origem não explicada.

O butim seria utilizado na compra de votos. Uma fila de cabos eleitorais estava do lado de fora da sede para receber o dinheiro. Era algo inacreditável. Algumas sacolas já estavam vazias, o que se depreende que uma quantia muito mais significativa já tinha sido levada no varejão do voto.

Na época Rosinha Garotinho era governadora. Transferira a administração estadual para a cidade na tentativa de eleger o então candidato a sucessão municipal Geraldo Pudim, hoje secretário de governo da mesma Rosinha.

O dinheiro ainda se encontra acautelado pela justiça. Mas o caso já foi julgado no Tribunal Regional Eleitoral, no período em que Rosinha ainda estava governadora.

Garotinho e seus aliados, na ocasião, saíram incólumes desta empreitada. Destacou-se no julgamento a justificativa da desembargadora do TRE, Jaqueline Montenegro, ao proferir seu voto pela absolvição dos réus governistas: “Diante do escândalo do mensalão, o que é R$ 318 mil?”.

Agora, na mesma cidade de Campos, o casal Garotinho se vê diante de um novo embate com a justiça. Desta vez por conta do uso escancarado da rádio e jornal O Diário durante a eleição de 2008.

O conteúdo do processo é revelador, pois demonstra que nunca antes na história desta cidade dois veículos de comunicação serviram tão bem a uma candidatura. Já tinham feito o mesmo na eleição de 2004, mas no pleito de 2008 foram ainda mais ousados.

Eis que vem a cantilena oficial comandada por Garotinho para dizer que Rosinha está sendo punida apenas por conta de uma entrevista. Seria uma perseguição, segundo a choradeira que nenhuma reportagem da mídia oficial ousou questionar. Só que a história não é bem assim e ainda que o fosse, o discurso embute a tese do relativismo do crime.

Tanto na cantilena atual quanto na justificada da magistrada Jaqueline, podemos deduzir que matar alguém com um tiro é menos grave do que matar com três disparos. Ou roubar uma casa é menos grave do que assaltar um banco de arma em punho. Faz lembrar a frase de Paulo Maluf: "estupra, mas não mata".

A tese, na verdade, traduz o pensamento reinante entre a sociedade brasileira, que faz distinções discriminatórias na hora de punir um criminoso. Se for negro pau nele. Para branco e filho de rico, pena mais branda. Condenação ou cadeia só para o pobre ladrão de galinha. Para o rico e poderoso, a pena tem que ser relativa. Definitivamente, o que sucede em Campos dos Goytacazes merece um estudo antropológico.

Garotinho sempre apostou na impunidade. A Justiça Eleitoral fez o dever de casa. Não importa as motivações, mas antes tarde do que nunca.

http://www.robertobarbosa.com/2011/10/o-relativismo-do-crime.html